Reações de dupla troca entre sal e base

Você está aqui

As reações de dupla troca entre sal e base só ocorrem visualmente se houver a formação de sal ou base insolúvel ou, então, de hidróxido de amônio (NH4OH).

Uma reação de dupla troca é aquela em que o cátion (A) e o ânion (B) de uma substância associa-se com o ânion (D) e o cátion (C), respectivamente, de outra substância. Essa reação pode ser representada pela seguinte equação genérica:

Equação genérica de uma reação de dupla troca
Equação genérica de uma reação de dupla troca

Assim, conhecendo um esquema geral de uma reação de dupla troca, fica fácil entender aquelas que ocorrem entre sais e bases. O sal apresenta como componentes um cátion (A) diferente do hidrônio (H+) e um ânion (B) diferente da hidroxila (OH-). Já a base apresenta um cátion (C) – na dupla troca, nunca o sal e a base possuem o mesmo cátion – diferente do hidrônio (H+) e um ânion hidroxila (OH-).

Então, em uma reação de dupla troca entre sal e base, o cátion A do sal interage com a hidroxila (OH-) da base, enquanto o cátion C da base interage com o ânion B do sal, como podemos observar na equação a seguir:

Equação geral de dupla troca entre sal e base
Equação geral de dupla troca entre sal e base

Visualmente (a olho nu), em laboratório, só se afirma que uma reação de dupla troca entre sal e base ocorreu se houver a formação de pelo menos um dos compostos abaixo:

  • Sal praticamente insolúvel (se é praticamente insolúvel, não se dissolve na água presente no sistema, ficando no fundo do recipiente ou na superfície de acordo com a sua densidade);

  • Base praticamente insolúvel (se é praticamente insolúvel, não se dissolve na água presente no sistema, ficando no fundo do recipiente ou na superfície de acordo com a sua densidade);

  • Hidróxido de amônio (NH4OH): trata-se de um composto instável que, ao se decompor, dá origem à água e ao gás amônia (NH3). Como há a presença do gás no sistema, percebemos a formação de bolhas no líquido reacional. Abaixo temos a equação que representa a decomposição do NH4OH:

NH4OH → H2O + NH3

Nos exemplos de equações de reações de dupla troca entre sal e base propostos a seguir, podemos verificar cada um dos critérios estudados acima:

a) Reação entre Iodeto de Potássio e Hidróxido de Alumínio

3 KI + Al(OH)3AlI3 + 3 KOH

Equação balanceada entre um iodeto e um hidróxido.

Título: Equação entre um iodeto e um hidróxido

O K pertence à família IA (carga +1), e a hidroxila apresenta sempre carga -1. Como as cargas são iguais em número, a fórmula originada por elas é KOH. Trata-se de uma base solúvel, pois apresenta metal da família IA.

O Al pertence à família IIIA (carga +3) e o I pertence à família VIIA (carga -1); logo, a fórmula originada é AlI3, em razão do cruzamento das cargas.

Como o sal originado apresenta iodeto (I) não associado a Ag, Pb, Hg e Cu, trata-se de um sal solúvel. Além disso, como foram originados sal e base solúveis, a reação visualmente não acontece.

b) Reação entre Sulfato de Magnésio e Hidróxido de Titânio II

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

MgSO4 + Ti(OH)2TiSO4+ Mg(OH)2

O Mg pertence à família IIA (carga +2), e a hidroxila apresenta sempre carga -1. Como as cargas são diferentes, a fórmula é originada por um cruzamento das cargas, resultando no Mg(OH)2. Trata-se de uma base pouco solúvel porque apresenta metal da família IIA.

O Ti pertence à família IVB (tem carga +2, porque há 2 OH), e o SO4 possui carga-2. Como as cargas são iguais em valor, a fórmula originada é TiSO4, em razão do cruzamento.

Como o sal originado apresenta sulfato (SO4) não associado a Ag, Pb, Hg, trata-se de um sal solúvel. Além disso, foram originados sal e base pouco solúveis; logo, a reação visualmente não acontece.

c) Reação entre Fosfato de Cálcio e Hidróxido de Sódio

Ca3(PO4)2 + 6 NaOH→ 2 Na3PO4+ 3 Ca(OH)2

O Ca pertence à família IIA (carga +2), e a hidroxila apresenta sempre carga -1. Como as cargas são diferentes, a fórmula é originada por um cruzamento das cargas, resultando no Ca(OH)2. Trata-se de uma base pouco solúvel, pois apresenta metal da família IIA.

O Na pertence à família IA (carga +1), e o PO4 possui carga-3. A fórmula é originada por um cruzamento das cargas, que são diferentes em valor, o que resulta no Na3PO4.

Como o sal originado apresenta fosfato associado a elemento da família IA, trata-se de um sal solúvel. Foram originados sal solúvel e base pouco solúvel; logo, a reação visualmente não acontece.

d) Reação entre dicromato de potássio e o hidróxido de cobre II

K2Cr2O7 + Cu(OH)2CuCr2O7 + 2 KOH

O K pertence à família IA (carga +1), e a hidroxila apresenta sempre carga -1. Como as cargas são iguais em número, a fórmula originada por elas é KOH. Trata-se de uma base pouco solúvel, pois apresenta metal da família IA.

O Cu pertence à família IB (apresenta carga +2 porque há 2 OH), e o Cr2O7 possui carga-2. A fórmula originada é CuCr2O7 em virtude do cruzamento das cargas, que são iguais em valor.

Como o sal originado apresenta dicromato (Cr2O7 ) não associado a NH4 e nenhum elemento da IA, trata-se de um sal insolúvel. Além disso, como foram originados sal insolúvel e base solúvel, a reação visualmente acontece.

e) Reação entre Nitrato de prata e o Hidróxido de ferro III

3 AgNO3 + Fe(OH)3Fe(NO3)3+ 3 AgOH

O Ag pertence à família IB (carga +1), e a hidroxila apresenta sempre carga -1. Como as cargas são iguais em número, a fórmula originada por elas é AgOH. Trata-se de uma base praticamente insolúvel, pois não apresenta metal da família IA.

O Fe pertence à família VIIIB (tem carga +3 porque há 3 OH), e o NO3 possui carga-1. A fórmula originada é Fe(NO3)3, em virtude do cruzamento das cargas, que são diferentes em valor.

Como o sal originado apresenta nitrato (NO3), ele é solúvel, pois todos os sais com nitrato são solúveis. A reação não ocorre visualmente porque foram originados sal solúvel e base praticamente insolúvel.


Por Me. Diogo Lopes Dias

Reação de dupla troca entre sulfato de cobre II e hidróxido de sódio com formação de sólido
Reação de dupla troca entre sulfato de cobre II e hidróxido de sódio com formação de sólido
Por Diogo Lopes Dias

Curtidas

0

Compartilhe:
Artigos Relacionados